Em 2020 a existência de esportes eletrônicos já não é novidade para ninguém, mas afinal de contas o que são os eSports?

A resposta longa é: O reconhecimento em diferentes categorias e incontáveis horas de esforço entre jogadores, preparadores físicos e mentais além de equipes técnicas dedicadas em diversas modalidades buscando o título de campeão de um torneio.

Isso soa familiar para você? Isso é porque nada difere eSports de esportes tradicionais, claro além do fato de toda essa competição ser realizada através dos games.

Se ficou confuso vamos para a resposta curta: Torneios e campeonatos de jogos eletrônicos assim como vemos de esportes tradicionais como futebol e basquete.

Agora você deve estar se questionando: “Ah é aquele torneio de games que eu vi “zapeando” pela Sport TV esses dias. Isso é recente.”

Bom sim, mas também não.

O reconhecimento sim é relativamente novo, chegando apenas em meados de 2000/2010.

Mas o conceito de competir nos games, seja em jogos multi jogador onde existe a disputa direta, ou em jogos solo onde o objetivo é terminar o jogo com mais pontos ou mais rápido. Competições de desse tipo são datadas desde meados da década de 70, mas isso é papo para um próximo texto.

Porque é tão importante entender como essas competições surgiram, evoluíram e cresceram dentro das suas comunidades, criando culturas e subculturas?

Só assim podemos entender como o consumidor se comporta e consome, tanto bens quanto, conteúdo e saber como investir nesse meio tão antigo, mas que ao mesmo tempo parece tão novo.

Por isso fique ligado que em breve teremos mais textos da série #Desmistificando eSports, explicando a origem e tudo para que você saiba como e porque investir em eSports.